jusbrasil.com.br
13 de Dezembro de 2017
    Adicione tópicos

    Seis pessoas são condenadas por assalto a agência dos Correios no interior do Estado Seis pessoas são condenadas por assalto a agência dos Correios no interior do Estado

    Divinópolis. O Ministério Público Federal (MPF) obteve a condenação de seis pessoas que, em fevereiro do ano passado, assaltaram agência dos Correios e de uma cooperativa de crédito na cidade de Córrego Danta/MG.

    O líder do grupo, Marco Aurélio Sullivan de Lima, recebeu pena de 15 anos e 2 meses de prisão. Wedson Rodrigues da Silva foi condenado a 9 anos, 6 meses e 10 dias; Gabriel Francisco de Oliveira, a 8 anos, 5 meses e 15 dias; Jonatas Alverindo Dias, a 5 anos, 1 mês e 25 dias; Lucimar Ramos Basílio Teles, a 4 anos, 4 meses e 8 dias, e Elenice Rodovalho, a 4 anos, 4 meses e 8 dias. Outro integrante do grupo, Danilo, veio a falecer numa troca de tiros com a polícia logo após a ação criminosa.

    Todos os réus encontram-se presos, à exceção de Lucimar Ramos, beneficiada com liberdade provisória durante o trâmite da ação.

    Córrego Danta é uma cidade de 3.391 habitantes (Censo IBGE 2010), na região Centro-Oeste de Minas Gerais. Segundo a denúncia do MPF, ela foi escolhida para os assaltos exatamente por se tratar de uma cidade pequena, o que facilitaria a execução dos crimes.

    Residentes em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, os réus deslocaram-se cerca de 338 quilômetros, hospedando-se numa casa em Bambuí, cidade vizinha a Córrego Danta. O imóvel que serviu de base para o grupo foi cedido por Lucimar Ramos, companheira de Wedson.

    As ações criminosas ocorreram na manhã do dia 4 de fevereiro de 2014, quando Wedson e Gabriel, armados, entraram na agência da cooperativa e anunciaram o assalto. Eles renderam os funcionários e retiraram 55 mil reais dos caixas e do cofre. Antes de saírem, amarraram e amordaçaram os funcionários, para impedir qualquer reação ou que chamassem a polícia. As vítimas relataram que Gabriel puxou-lhes os cabelos, com violência, perguntando onde estavam “suas coisas de ouro”, tendo sido contido pelo comparsa.

    Enquanto isso, outro integrante do grupo, Danilo, roubava a agência dos Correios. Os funcionários também foram rendidos mediante ameaça de arma de fogo e abriram o cofre, de onde o assaltante retirou 77 mil reais, além da quantia de R$ 665,24 que estava no caixa.

    Elenice e Jonatas aguardavam os comparsas dentro de um veículo para dar-lhes fuga, e, juntos, voltaram a Bambuí. Para comemorar o sucesso da empreitada, os acusados realizaram um churrasco, e o mentor dos assaltos, Marco Aurélio, que se encontrava em Uberlândia, viajou até o local para reunir-se com o grupo e receber os 50% que lhe cabiam.

    Na madrugada do dia seguinte, 5 de fevereiro, a polícia, que vinha efetuando buscas na região desde a ocorrência dos roubos, encontrou dois veículos parados em frente à casa que servia de base para o grupo. Ao abordarem os motoristas, eles saíram em fuga, trocando tiros com os policiais, mas acabaram sendo presos. Wedson e Lucimar foram detidos dentro da casa.

    A verdade é que o grupo já vinha sendo monitorado pela polícia desde um assalto a uma casa lotérica em Bambuí/MG supostamente praticado por Wedson e Gabriel. O monitoramento telefônico permitiu inclusive desvendar a participação de Marco Aurélio Sullivan na empreitada.

    Conforme assinalou a sentença, ele “nunca tinha participação direta nos roubos efetuados pela quadrilha, pois atuava como autor intelectual dos crimes, ficando com o encargo de planejamento, coordenação, orientação e de propiciar ao grupo todos os meios necessários à prática delituosa (armas, munições e até mesmo veículos)”.

    Marco Aurélio já foi condenado em outras três ações penais, todas transitadas em julgado, por crimes de roubo e porte ilegal de arma. Outro integrante do grupo, Wedson Rodrigues, também possui vasta folha de antecedentes, com uma condenação por roubo e diversos registros de prisão.

    Os réus ainda poderão recorrer da sentença. O MPF já apelou pedindo aumento das penas.

    (Ações Penais nº 12130-79.2014.4.01.8811 e 3306-34.2014.4.01.8811)

    Assessoria de Comunicação Social

    Ministério Público Federal em Minas Gerais

    Tel.: (31) 2123.9008

    No twitter: mpf_mg

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)